04/02/2016

#Thoughts: Convivendo com a ansiedade


Eu me recordo que a ansiedade anda comigo há muito tempo. Quando criança, ela se manifestava em sonhos com alguma situação ou então em acordar várias vezes na véspera de algum dia específico, com medo de perder hora. Sempre gostei de saber o que ia acontecer, aonde eu estava indo, o que esperar, e quando se é ansioso, isso nem sempre acontece!

Depois de uns tempos, a ansiedade se manifestava em dores de estomago, que eu só percebia quando a situação passava. De uns tempos pra cá, a sua forma de manifestação é através de uma angustia horrível, de uma fome infinita e de uma agitação insuportável. Tem dias que eu mesma não me aguento, que eu gostaria de sumir do mapa, de todos, de mim.
É horrível lidar com uma situação dessas, às vezes foge do controle, às vezes eu demoro pra perceber o que realmente está me incomodando, e quando percebo, é mais difícil ainda de me controlar.

Não se tem uma formula padrão pra fugir de uma crise de ansiedade, não se deseja ou se esperar entrar numa crise dessas, e nunca é fácil de sair. Mas é necessário que se ache um jeito de sair de uma situação como essas. 

"Não encha sua cabeça com preocupações. Não haverá espaço para outras coisas" - Pinterest

Eu não tinha o costumo de parar e pensar sobre certas coisas que estão acontecendo ao meu redor, nunca fui de prestar muita atenção, em quase nada, pra falar a verdade. Me considero uma pessoa distraída, no mundo da lua, e enquanto faço uma coisa, minha cabeça está maquinando outras mil situações.  Por isso, muitas vezes eu demoro pra perceber o que me causa angustia, o que me deixa tão ansiosa que acaba afetando meu físico.

Vou compartilhar com vocês um episódio que ocorreu no final do ano. Pós Natal, eu e uma amiga fizemos uma reunião com uma pessoa a respeito de um projeto que estamos pondo em prática agora (em breve conto melhor pra vocês), essa reunião foi no sábado pós Natal. Nós marcamos essa data numa terça-feira, na quarta (23/12) eu comecei a passar mal (pressão subiu, quase desmaiei, enjoos). No domingo pós reunião (27/12) eu passei MUITO MAL. Muito mesmo, e isso se estendeu por alguns dias da semana seguinte. 
Na primeira semana de Janeiro, quando o projeto estava tomando forma, voltei a passar mal (vomitei quase todos os dias daquela semana). E eu nenhum momento me liguei de onde estava vindo todo esse caos. Fora isso, eu retomei ao meu trabalho (que supostamente deveria ter sido mandada embora no final de Dezembro). Resumindo: projeto novo acontecendo + retomando uma coisas que não deveria fazer parte de mim + tudo isso junto = crise de ansiedade. Angustia de algo que me incomoda + agitação de algo novo = muuita ansiedade. 

Demorei quase 3 semanas pra entender o porque aquilo estava acontecendo, entende? Ansiedade nunca se manifesta da mesma forma, pelo menos não pra mim. E o que eu fiz pra melhorar? Simples, raciocinei sobre toda a situação em que eu me encontrava. Primeiro tomei ciência de que meus dias no meu atual emprego estão chegando ao fim, portanto não vale mais a pena sofrer por isso, agora só me resta esperar. Segundo, tomei ciência que coisas novas é tudo que eu preciso no momento e que eu sou capaz de lidar com isso, portanto, deixar a agitação me atrapalhar também não vale a pena. Terceiro, comecei a focar em outras coisas, e toda vez que o sentimento de angustia me vinha à mente, eu voltava lá no primeiro passo.

Conversar com minha psicologa ajuda, às vezes escrever sobre o que eu estou sentindo e pensando também. Às vezes chorar é o melhor remédio, ou então ouvir alguma música calma. Respirar na tentativa de me acalmar também é uma boa saída, mas manter minha mente e meus pensamentos em coisas positivas é de primeira a melhor solução. Eu não creio que deixar de ser ansioso é algo que possa acontecer de uma hora pra outra, mas o importante é não deixar que esse sentimento atrapalhe sua vida.
"O que consome sua mente, controla sua vida" - Pinterest

Então, você ai, serzinho ansioso, eu sei muito bem o que você sente. Às vezes parece que nosso peito vai explodir, no coração está a mil, nossa mente a milhão, mas o segredo é simples: Respire e foque sua mente em coisas positivas, é só um mal dia e não uma má vida ♥

Até a próxima ♥

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Eu sempre fui muito ansiosa, desde criança contava para a minha mãe que sentia um “ovo” na garganta, ou seja, angustia. Confesso que ainda o sinto até hoje, quando a minha rotina está pesada, esmagadora. Nunca cheguei a passar mal de verdade mas tenho muita dificuldade de concentração, muita agitação e as vezes acordo com taquicardia noturna. Realmente demora, dias, semanas para as coisas voltarem ao normal. Mas como você disse, focar em outras coisas mais leve, as vezes ajuda :) Melhoras pra você e para todos que sofrem desse mal :) Beijos!
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei qual parte é pior, mas a angústia é realmente algo que atrapalha a vida =/
      Obrigada Dai ♥
      Beijos!

      Excluir

Design e Desenvolvimento por Bruna Leite